Com o nascer da nova orientação do Convento São Francisco procurou-se também relembrar memórias da velha Fábrica de Lanifícios de Santa Clara através dos seus funcionários.

ConventoS∆oFrancisco _ FIO _ atená∆o coimbra


Para isso a Mistaker Maker e o artista urbano Samina, juntaram-se na criação do workshop comunitário FIO | Memórias como Matéria-Prima, com o pretexto de desenvolver um conjunto de obras de arte urbana à base de stencil, técnica de eleição do artista, que retratam um conjunto de 10 pessoas, todas elas relacionadas à Fábrica de Lanifícios de Santa Clara.


A actividade começou a desenrolar-se a 28 de Março (segunda-feira) e desenvolver-se-á ao longo de 3 semanas nas quais reviver-se-ão memórias da Fábrica de Lanifícios de Santa Clara, tendo como protagonistas deste conto os seus proprietários e todos os que nela trabalharam, homenageando desta forma, os últimos anos de utilização prática do edifício que se transforma agora em mais um polo de cultura da cidade dos estudantes.

“A actividade pretende a ativação destes patrimónios, material e imaterial.”

Será através da leitura, da documentação e da inscrição das memórias dos que foram os últimos moradores do Convento que se pretende trazer a esta “nova casa” uma carga emocional muito específica, com um significado muito próprio, que dê ao renovado equipamento, agora cultural, funções de agente de intermediação e de ligação entre variadas comunidades, não se encerrando na população artística.

O projecto desenrolar-se-a então em 4 fases, distintas tanto na tipologia de trabalho como em relação ao nível de participação comunitária que se pretende alcançar, mais ou menos activa, apesar de em todas elas se pretender criação de vínculos directos com todas as comunidades envolventes ao Convento, sejam elas a artística, histórica, familiar ou simplesmente local.

Assim, com a pintura do trabalho produzido por locais estratégicos da cidade de Coimbra e arredores, pretende-se comunicar todo o intuito deste projecto assim como anunciar a abertura do Convento à comunidade local. Repetir-se-a ainda no próprio interior do Convento São Francisco, todo o processo de pintura em forma de mural de grandes dimensões, convidando toda a comunidade para esta (re)descoberta.

“O Convento São Francisco pretende apresentar novas propostas criativas, com recurso a linguagens contemporâneas, dedicadas à história, patrimónios e memórias da cidade de Coimbra e dos seus territórios mais próximos. Através de projectos artísticos diversos, procuraremos construir novas narrativas sobre as representações do território.Por outro lado, é também nossa intenção resgatar e inscrever no espaço público memórias submersas, num exercício criativo de pluralização e reinvenção do discurso memorial favorecendo experiências que valorizam a emoção e a aprendizagem proporcionada pela “experiência única do lugar”. Neste sentido, queremos envolver no processo memorial novos atores sociais e culturais, de forma a produzir renovadas dinâmicas identitárias e afiliações ancoradas na diversidade patrimonial do Convento e da cidade.” – Equipa Gestora Convento São Francisco

Todas as acções artísticas serão também registadas e documentadas, apresentando-se como pretexto para um longo registo das memórias dos últimos habitantes do Convento, que servirão de inspiração a todo o FIO.

Fala connosco, dá-nos a tua opinião!