Texto: João Craveiro & Mafalda Lalanda

A quarta edição do festival acontece nos primeiros três dias de Setembro e tem lugar no Parque Eduardo VII, em Lisboa. O evento pretende explorar o conceito de jardim sonoro, assim como a cultura e o ambiente associados a este espaço.

19424127_1365328530212183_6253312337699439734_n


Desde a primeira edição que a qualidade da programação musical é evidente. O festival procura desenvolver a sua própria identidade, inserindo estilos que variam entre o chill out e o techno, passando pelo disco, house, jazz, soul, funk ou pop eletrónica com DJs e concertos. O festival tem acompanhado o panorama musical nacional e internacional apostando em promessas e promovendo o reencontro com nomes já conhecidos por todos. No fundo, um evento que apresenta um cartaz cuidado, de luxo, tornando-o um dos festivais de referência em Portugal.

Ano após ano tem-se comprovado o ideal de trazer a festa para a luz do dia. Um ideal, que se junta a outras responsabilidades sociais sobre as quais falaremos mais ao longo deste artigo. Mas comecemos pelo cartaz.

Pelo LISB-ON já passaram alguns dos maiores nomes do mundo da música. Na edição de estreia estiveram presentes Roy Ayers e Moodymann, já em 2015 Todd Terje e Nicholas Jaar subiram ao placo e, na última edição, foi a vez de Dixon e Jungle.

Este ano o grande destaque vai para o primeiro dia do festival. A programação fica a cargo da Red Bull Music Academy (RBMA) que apresenta o lendário Sven Väth nos palcos do jardim. A ele juntam-se alguns dos ex-participantes nacionais da RBMA como Ghost Wavves e Jorge Caiado. Para os restantes dias esperam-se nomes-chave, como a repetente Nina Kraviz que já esteve na segunda edição do festival, Dj Koze e Motor City Drum Ensemble.

Também este ano, pela primeira vez, o LISB-ON apresenta ainda um palco secundário que incide, principalmente, na música funk, house e negra. Esta novidade está presente nos dois últimos dias – 2 e 3 de Setembro. Trata-se de uma forma de expandir o festival, criando mais oportunidades para ver e sentir o Jardim Sonoro.\

Outra particularidade do festival é que no LISB-ON não existe idade mínima de entrada. É possível desfrutar de tudo o que o Jardim Sonoro tem para oferecer de forma gratuita até aos 14 anos (inclusive). Assim, as crianças acompanhadas pelas famílias lisboetas, ou outros encarregados de educação, podem viver esta experiência musical. Há, ainda, um espaço afastado da plateia, dedicado a atividades infantis – o LISB-ON KIDS.

A 4ª edição do LISB-ON continua a angariar fundos para a Casa dos Animais de Lisboa. Um projeto que têm vindo a desenvolver em edições passadas em colaboração com a instituição.

A Casa dos Animais de Lisboa, situada em Monsanto, nasceu da transformação do gatil/canil municipal num espaço vocacionado para o acolhimento e tratamento de animais errantes na cidade. Promove ações de prevenção à redução do abandono, fomenta a adoção responsável e ainda permite a vacinação gratuita contra a raiva e a instalação, igualmente sem custos, de um chip de identificação do animal. Na edição de 2016, a Câmara Municipal de Lisboa e o LISB-ON angariaram um total de 10.359,60€ que foram convertidos em ração para cães e gatos.

Os bilhetes para o LISB-ON já se encontram à venda. O passe geral custa 55€ e a entrada para um dia custa 25€. Os bilhetes podem ser adquiridos em bit.ly/lisb_onjardimsonoro, www.ticketline.sapo.pt e nos locais habituais.

Fala connosco, dá-nos a tua opinião!