Texto: Mariana Martins & Bruno Figueiredo | Fotografia: Salomé Reis

Pedro Saavedra, um dos fundadores, foi o orador no fim de tarde do passado Sábado dia 19, no Salão Brazil para explicar o que de facto é o Gerador e a vontade que tem de começar a integrar mais Coimbra neste projecto.

img_7401


O Gerador é uma associação sem fins lucrativos fundada por Miguel Bica, Pedro Saavedra e Tiago Sigorelho, que comunica e produz iniciativas que promovem os principais motores da cultura portuguesa.

Um dos principais lemas desta plataforma é de que a cultura portuguesa precisa de amor.

A nossa cultura manifesta-se através das mais diversas formas como a arte urbana, a ilustração, o artesanato, a música, a gastronomia, o cinema, as artes performativas e a literatura, e o Gerador pretende realçar que são essas as forças que criam a nossa identidade, de norte a sul do país, e que os autores dessas obras devem ser destacados. E foi precisamente às declarações de amor que se dedicou a primeira edição da revista Gerador, lançada em Julho de 2014. Esta revista trimestral, com tema e designer diferente em cada número, vai já na sua 10ª edição, esta última lançada em Outubro deste ano.

Além de órgão de comunicação físico, o Gerador mantém uma presença activa e participativa online, nomeadamente nas redes sociais. Contando com bastantes seguidores quer na página de Facebook quer do Instagram, cada like, partilha ou publicação é dar ênfase de que ainda há muitas coisas boas no nosso pequeno país.

Por último, este projecto nacional é ainda o responsável pela criação e produção de iniciativas, sobretudo na rua. O chamado Trampolim Gerador concentra um conjunto de mais de 50 iniciativas culturais num local público e inesperado, durante um dia e com acesso gratuito de modo a que todos possam aceder e participar. Até agora o Gerador deu o salto para a rua 5 vezes, todas em Lisboa, onde juntou concertos, exposições, workshops, conversas, entre outros, em vários pontos da capital.


Pedro Saavedra confessou que pouco conhecia de Coimbra, o típico de que “Coimbra tem mais encanto na hora da despedida” e as expressões do sotaque conimbricense como dizer “os jolhos e as jorelhas” (quando todos sabemos que os lisboetas é que têm sotaque). Foi deste momento em frente que, o motivo que trouxe a equipa do “Gerador” à cidade dos estudantes, entrou em cena. Coimbra discutia-se dentro da sala, num fórum aberto, onde artistas, designers, curadores, actores, arquitectos e muitos mais intervenientes do cenário cultural da cidade (nós incluídos), davam a sua opinião, chegava-se a um consenso: a Coimbra não falta cultura, falta alcance, comunicação, o mesmo motivo que nos levou a fundar a Cultur’Arte Mag à mais de 4 anos.

Mas engane-se quem acha que a discussão foi pacífica, por muito acordo que haja, pois nem todos pensam da mesma maneira, com uma Coimbra que se mostrou motivada a abrir mais portas, mas cada um à sua maneira. Serviram-nos os mediadores do “Gerador” que usaram também da sua experiência para nos assegurar que todas as opções e opiniões tem uma verdade na sua base, mas que temos de saber conjugá-las e abrir portas.

Mas no final de tudo, e contas feitas, a principal conclusão é que Portugal não é só Lisboa e Porto e é importante que haja mais meios de difusão e divulgação como o Gerador para mostrar isso. Afinal é a cultura portuguesa com certeza!

Fala connosco, dá-nos a tua opinião!