O dia em que Charles Bradley foi rei do festival.

Começamos a nossa tarde ao som de Allah-Las, embalados numa torrente de temas suaves, transpirando indie rock. Seguimos depois para o palco Vodafone FM, isto porque não poderíamos perder a passagem de Waxahatchee pelo recinto do Paredes de Coura, se bem que algumas pessoas, ostentando um cartaz em que se lia, nitidamente, “Mosta as mamas”, pareciam ter um motivo alterior para ali estar.

A festa continuo, claro, pela noite dentro com Mark Lanegan, num tom soturno, mas foi com a subida de Charles Bradley ao palco principal do festival que o soul elevou o espírito dos presentes num dos, se não o melhor concerto, que este festival já viu, onde a energia sem paralelo do espirito jovem de Charles Bradley, moveu e comoveu a multidão.

Entre viagens pelo meio da multidão e um olá do costume ao piruças, essa tão amada criatura amarela, acabamos a nossa noite com The War on Drugs no palco Vodafone, com quem pudemos por um ponto final a um dia cheio de emoções, onde a música nos provocou alegria agora, tristeza outrora, e no fim um cansaço saboroso que nos preparou para o ultimo dia de festival.

Fala connosco, dá-nos a tua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.